Publisher da editora Aleph no Idade Mídia

O Idade Mídia recebeu o publisher da editora Aleph, Adriano Fromer. Simpático e muito experiente na área, Adriano veio compartilhar com o grupo suas experiências na área de publicações, além de falar sobre temas importantes como o do e-book, cultura geek e ficção científica. Ele trouxe mais uma abordagem sobre mídia para o grupo de alunos que participa do Idade Mídia e produzirá um produto de comunicação até o final do ano.

IMG_4956

Entre inúmeras recomendações de livros e séries, o publisher contou sobre a trajetória da editora Aleph, fundada por seus pais. Há 10 anos, quando o mercado de ficção científica não aparentava dar retorno no Brasil, a editora decidiu investir nele. “Inovar é o maior risco não só de uma editor, mas de qualquer empresa. Se, por um lado, é necessário se diferenciar dos concorrentes e fazer algo que ninguém ainda fez, por outro, é importante assegurar certo lucro”, conta o convidado. E foi por isso mesmo que sua editora manteve uma linha tradicional de turismo enquanto criava um mercado para a ficção científica.

IMG_4952

A Aleph, porém, não teve tanta dificuldade em ingressar nesse mercado ainda pouco explorado, e a migração entre a linha de turismo e a ficção científica foi mais rápida do que o esperado. Isso porque a “sacada” de lançar livros da ficção científica que estavam a muito tempo esgotados no Brasil, como “2001, Uma Odisseia no Espaço” ou “Neuromancer” – o livro que deu origem a Matrix – garantiu à editora um primeiro período sem concorrência. Além da ficção científica, a Aleph também investee m clásisco da inovação e educação como “Cultura da Convergência”, de Henry Jenkins, e o próprio livro “Idade Mídia”, do jornalista Alexandre Le Voci Sayad.

A editora Aleph, que agora está focando em lançar clássicos da ficção científica, até hoje surpreende com a quantidade enorme de escritores renomados que já trabalharam com ela. “E somos apenas uma empresa de médio porte!”, lembra Adriano.

Não podemos esquecer, contudo de uma grande marca dos livros publicados pela Aleph: suas capas. O publisher garantiu que tem um cuidado especial em sempre manter uma boa aparência para elas. Na época dos e-books, com seus menores preços e praticidade de obtê-los, muitos só compram um livro que julgam bonito para colocar na estante. “O que diferencia os livros físicos em relação aos e-books é o chamado “fetiche dos livros”. É por isso mesmo que devemos ter uma preocupação especial com sua aparência”, afirmou Adriano. Mesmo no processo de publicação do livro, a edição e projeto gráfica da capa têm importância equiparável. Por isso, a Aleph aposta em artistas renomados para desenvolve-la.

Adriano ainda nos deu dicas sobre como publicar um livro. Ao contrário do que muitos pensam, não é só enviar um exemplar do livro para várias editoras: é preciso provar para elas que sua história irá vender. Fazer uma pré-venda no Catarse, ou ainda se lançar na Amazon, em um blog ou em sites como Smashbox podem ser bons caminhos para isso.

A respeito da carreira de publisher, Adriano explicou que não só recebe novos livros como também busca ficções científicas no exterior, para posteriormente traduzir. Após identificar as obras com que irá trabalhar, coordena o processo de revisão, tradução, projeção gráfica da capa, distribuição do livro e renegociação dos contratos, que garantem sete anos de monopólio da editora para exploração de um livro.

Adriano garantiu ainda que ama seu trabalho, e como amante da literatura geek deixou ao grupo algumas recomendações. Confira a lista de títulos  de livros e filmes sugeridos a seguir:

Walter Miller Jr.: Um Cântico para Leigowitz
Arthur C. Clarke: O fim da infância
lWilliam Gibson: Neuromancer
Filme Blade Runner (ciber punk)
Isaac Asimov (melhor autor de ficção científica de acordo com Adriano)
Duna – Frank Herbert(o livro é muito melhor que o filme!)
Arthur C. Clarke: 2001 Uma odisseia no espaço
John Boyne: O palácio de inverno; sobre Rev. Russa.
Ursula K. Le Gin: A mão esquerda da escuridão
Jorge Luis Borges: O Alep

Por Alexia Filkestein, do Idade Mídia

Alunos participam de simulações da ONU

Alunos do Ensino Médio participaram de diferentes simulações da ONU (Organização das Nações Unidas). No final do mês de maio, estudantes da 1.a série realizaram a conferência de encerramento do MONU-EM (Modelo das Nações Unidas para o Ensino Médio) e no feriado de Corpus Christ, alunos da 2.a e 3.a séries participaram do Fórum Faap de Discussão Estudantil, acompanhados pelas professoras Regina Mara e Marina Consolmagno.

Forum FAAP

Fórum FAAP

O MONU-EM é uma atividade realizada no Colégio há 15 anos, uma vez por semestre. Durante o curso, os alunos aprendem como funcionam os orgãos da ONU, realizam debates e são ensinados a redigir documentos de posição, para, no encerramento do projeto, participarem de um dia de conferência que simula uma entidade das Nações Unidas.

MONU-EM

MONU-EM

Este ano, o tema da simulação final foi “Medidas de Contenção do Terrorismo no Boko Haram”. Os estudantes tiveram a oportunidade de debater e criar um documento de resolução para o problema ao final do dia. “ O tema é muito interessante, por ser bem atual. Eles gostam de ver isso e foram muito práticos para discutir a questão”, afirmou Regina Mara, coordenadora do projeto.

Já o Fórum FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado) de Discussão Estudantil reúnes colégios de diversos estados do país para simular diferentes comitês da ONU. “A experiência de modelar com outras escolas, discutir política, argumentar, conhecer pessoas novas é enriquecedora. Eles terminam o feriado cansados mas contentes”, finalizou a professora.

Foram 15 alunos representar o Bandeirantes no Fórum como delegados do Chade e Bélgica em 7 comitês diferentes, como a Assembleia Geral da ONU e o Conselho de Segurança das Nações Unidas. Além disso, o Colégio teve representação na Ong IPEN (International POPS Elimination) no Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento e no Comitê de Imprensa, como Folha de São Paulo.

“Foi gratificante. É bom se reunir com pessoas de mesmos interesses e as discussões ajudam a expandir a visão de mundo”, declarou Laura Cubillas, da 2.a série. Ela ganhou uma menção honrosa como delegada da Bélgica no Conselho Europeu.

Inscrições para o MONU-EM do segundo semestre começam na primeira semana de julho na sala virtual.